O Conselho Português para a Paz e Cooperação, participou hoje na acção de solidariedade com a Revolução Bolivariana, que reuniu um alargado conjunto de organizações e cidadãos progressistas. As organizações presentes entregaram ao Exmo. Sr. Embaixador da República Bolivariana da Venezuela várias tomadas de posição expressando o seu apoio ao povo venezuelano.

 


O CPPC entregou ainda a seguinte saudação:

Exmo Sr Embaixador da República Bolivariana da Venezuela Lucas Rincon Romero
Exmo Sr Consul Edinson Alberto Sánchez

O Conselho Português para a Paz e Cooperação está hoje aqui presente para reafirmar a sua solidariedade com o povo venezuelano na sua luta corajosa na defesa da Revolução Bolivariana, das importantes conquistas económicas, políticas, sociais e culturais alcançadas, na defesa do seu direito soberano de decidir o caminho que pretende para o seu futuro.

Esta iniciativa que nos reúne aqui hoje é a demonstração concreta de que o impacto da Revolução Bolivariana não se restringe à Venezuela, nem tão pouco à América Latina onde tem tido grande importância para a evolução progressista e solidária de muitos países da região. Para aqueles como nós em Portugal como em outros paíes Europeus - a quem nos impõem a regressão de condições económicas e sociais, o retrocesso de direitos laborais, a ingerência e a usurpação de soberania, no quadro da União Europeia, a crescente agressividade e militarização das relações internacionais protoganizadas nomeadamente pela EU - a Revolução Bolivariana é fonte de confiança, é exemplo concreto que outro mundo e outro caminho são possíveis. É possível um mundo mais justo de progresso e direitos sociais, de Paz e cooperação.

As acções de provocação e desestabilização, os actos de violência e destruição perpetrados na República Bolivariana da Venezuela por sectores mais reaccionários da oposição apoiados pelo imperialismo norte-americano, demonstram que aqueles que perderam sucessivas eleições continuam a recorrer a todos os meios, incluindo a violência, para tentar alterar a ordem constitucional e anular a vontade do povo venezuelano.Vontade livremente expressa em sucessivas eleições, repetidamente expressa nas urnas e nas ruas.

O CPPC alerta para a gravidade da situação; denuncia a ardilosa e caluniosa cobertura que os grandes grupos de mídia têm feito dos acontecimentos, tentando responsabilizar o governo de Nicolás Maduro pela violência de que é alvo; O CPPC denuncia a ingerência dos EUA, que não conseguem disfarçar o seu mal estar com as conquistas progressistas do povo venezuelano e a sua afirmação de soberania, com o facto de os recursos da Venezuela, como o petroleo, estarem agora ao serviço dos interesses do povo, e já não como antes, do privilégio de uma infima minoria.

O CPPC apela à solidariedade de todos os democratas e organizações progressistas para com o povo venezuelano e as suas importantes conquistas; e bem assim; apela a que continuem a informar com verdade e a fazer chegar mais longe a mensagem da justeza e urgência dessa solidariedade.

No próximo dia 5 de Março, a sessão que na Casa do Alentejo, pelas 18h assinalará o primeiro aniversário do falecimento do Comandante Hugo Chávez, será um momento mais de expressão da fraternal solidariedade do povo português para com o povo bolivariano da Venezuela, para o qual contamos com a presença de todos vós.

Viva a Revolução Bolivariana!