europa diz sim a paz nao a nato 1 20191130 1891936534

As organizações europeias membro do Conselho Mundial da Paz, de que o CPPC é coordenador, divulgaram um apelo em defesa da paz e contra a NATO e a sua cimeira de Londres.

Sim à Paz! Não à NATO!
Não à cimeira belicista de Londres

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) continuará a assinalar os seus 70 anos com uma cimeira de Chefes de Estado e Governo em Londres, de 3 a 4 de dezembro de 2019.

Durante 70 anos, a NATO tem sido a ferramenta militar agressiva número um do imperialismo. É a maior e mais perigosa organização militar do mundo. Apesar das rivalidades entre seus membros individuais e das contradições que surgem de tempos em tempos, ela permanece intrínseca e profundamente interligada com as políticas dos EUA e da UE, seu chamado "pilar europeu".

 

A NATO é responsável pelas guerras de agressão contra os países e seus povos - incluindo Jugoslávia, Afeganistão e Líbia - deixando um imenso legado de morte, sofrimento, destruição, poluição e degradação ambiental a longo prazo.

A NATO adicionou continuamente membros e parceiros e expandiu sua esfera de influência e intervenção a todo o mundo.

A NATO lidera a corrida armamentista e os gastos militares globais, onerando os povos. Em 2018, os gastos totais relacionados à guerra por todos os 29 membros da NATO totalizaram 963 mil milhões de dólares, 53% dos gastos militares em todo o mundo - mais do que os 164 restantes países do mundo. Somente os membros europeus da NATO e o Canadá gastarão mais 100 mil milhões de dólares em militarismo até o final de 2020.

Na sua cimeira em Londres, a NATO celebrará a prontidão para a guerra das suas forças militares. Como o Secretário-Geral assinalou: “Pela primeira vez na história”, a NATO alcançou “grupos de combate em estado de prontidão; aumentou sua presença no leste; triplicou o tamanho da Força de Resposta da NATO; aumentou os gastos com defesa em todos os países aliados da NATO por cinco anos seguidos e estacionou mais tropas americanas na Europa ”.

Na agenda belicista da próxima cimeira e entre outras questões, estarão em discussão o uso do espaço, do ciberespaço e da inteligência artificial para fins militares.

Os EUA, com o apoio da NATO, retiram-se do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermedio (INF), uma decisão que representa uma séria ameaça de uma escalada nuclear e da reinstalação de mísseis dos EUA na Europa, como aconteceu com os mísseis Pershing II nos anos 80, levando a manifestações em massa em defesa da paz e do desarmamento.

Os EUA e seus aliados da NATO aumentam incansavelmente suas atividades militares e expandem as suas bases e instalações do Mar Cáspio ao Ártico, cada vez mais perto da Rússia, mas também na região Ásia-Pacífico, reforçando o cerco à China. Esta vasta rede de bases e instalações militares no estrangeiro, as frotas navais, os chamados sistemas anti-mísseis e os sistemas de vigilância global, que os EUA e seus aliados na NATO espalharam pela Europa e pelo mundo, são instrumentos da sua estratégia de dominação do mundo. Os objetivos da NATO são hoje abertamente agressivos e sua área de agressão abrange todo o planeta.

Apelamos a todas as organizações e ativistas na Europa, que defendem a causa da Paz, para que promovam ações contra a NATO e a sua cimeira de Londres, pela dissolução deste bloco político-militar e em apoio à luta imediata, dentro de cada Estado membro, pela sua retirada deste pacto militar agressivo.

Reafirmando e dando continuidade a campanha do Conselho Mundial da Paz "Sim à Paz!" Não à NATO! ”, apelamos à mobilização e iniciativas em todos os países e, em 3 de dezembro, à forte presença na manifestação anti-NATO em Londres, juntamente com a Assembleia Britânica da Paz, defendendo:

• A dissolução da NATO!

• O direito dos povos de cada país de se retirarem unilateralmente da NATO!

• O fim da escalada dos gastos de guerra e um aumento no financiamento para o progresso social e a paz!

• A retirada imediata de todas as forças da NATO envolvidas em agressões e ocupações militares!

• Fim da chantagem, desestabilização e guerras imperialistas de agressão contra estados e povos soberanos!

• Apoio aos refugiados, deslocados e outras vítimas de guerras que a NATO, os EUA e a UE promovem!

• Encerramento das bases militares em território estrangeiro e desmantelamento dos sistemas anti-míssil dos EUA e da NATO!

• Abolição das armas nucleares e outras armas de destruição em massa e o desarmamento geral, juntamente com a interrupção imediata da pesquisa e o desenvolvimento de armas letais

• Parar o alargamento da NATO!

• Respeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional, nomeadamente a soberania e a igualdade de povos e Estados!

Sim à paz! Não à NATO!

Organizações europeias membro do CMP

Novembro 2019