A União dos Sindicatos de Lisboa e a CGTP-IN estão presentes nesta acção porque queremos mostrar o nosso repúdio pelos motivos que levam o Secretário Geral da NATO a reunir com o Primeiro-ministro do nosso País.
A NATO é a mais sofisticada e mortífera estrutura militar ao serviço do imperialismo.
É responsável pela agressão a países e povos, da qual a mais actual é a que, há mais de seis meses, decorre na Líbia. Esta intervenção militar viola o direito internacional e a carta das Nações Unidas, para além da Constituição da República Portuguesa – razão de sobra para que o Estado português se tivesse demarcado desta agressão.
O outro ponto da agenda que seguramente vai ser abordado pelo representante da NATO e por Passos Coelho é a transferência para Portugal do Quartel General da Força Aérea e Naval de Reacção Imediata da NATO, actualmente sedeado na Itália.
Nós, trabalhadores e trabalhadoras, não queremos que Portugal seja um trampolim para a agressão a outros povos.
Exigimos, isso sim, a saída de Portugal da NATO.
Queremos que os recursos gastos na Guerra sejam aplicados na resolução dos graves problemas sociais com que os trabalhadores se defrontam.
Daqui exortamos todos os trabalhadores e trabalhadoras portugueses na luta contra o militarismo, pela Paz, pela amizade e cooperação entre os povos, pela justiça e pelo progresso social.
PAZ SIM!
NATO NÃO!