Finalmente a União Europeia decidiu revogar o que ainda restava da sua inadmissível “posição comum” relativamente a Cuba, que remontava a 1996, e onde estabelecia uma política de ingerência inaceitável que punha em causa o direito soberano do povo cubano escolher o seu caminho.

O Conselho Português para a Paz e Cooperação considera positiva a revogação agora decidida de uma dita “posição comum” que nunca deveria ter sido tomada e que, no mínimo, há muito devia estar revogada.

O CPPC saúda Cuba pela vitória conseguida de revogação do que restava de uma “posição comum” caduca e inadmissível, e salienta que as relações entre Estados soberanos devem basear-se nos princípios da igualdade, reciprocidade e respeito mútuo, como o Governo cubano sempre defendeu e agora foi finalmente reconhecido pela União Europeia.

Direcção Nacional do CPPC