Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

O Conselho Português para a Paz e Cooperação vem, mais uma vez, denunciar as torturas e assassinatos de cidadãos sarauís detidos nas prisões marroquinas.

Nos últimos dias soube-se da degradação das condições de saúde do preso político sarauí, Mbarek Daoudi, detido na prisão de Salé (Rabat), desde setembro de 2013, e em greve de fome desde o passado dia 1 de Novembro.

Recordamos ainda que, em Setembro passado, o preso político sarauí, Hassana El Wali, detido na prisão de Dahkla, faleceu devido a negligência médica.

Após quase quatro décadas desde a violenta e perversa operação militar intitulada de “Marcha Verde”, da qual resultou a ocupação efectiva do território do Saara Ocidental, o povo sarauí ainda sofre as consequências desta colonização.

É tempo de dizer basta!

Em prol da defesa da paz e da soberania dos povos, o Conselho Português para a Paz e Cooperação vem manifestar a sua solidariedade para com o povo sarauí e exigir:

• A libertação dos presos políticos sarauís detidos em prisões marroquinas;

O fim da ocupação e exploração marroquina do Sara Ocidental;
• A realização de um referendo sob auspícios das Nações Unidas;
• A protecção dos direitos humanos, incluindo os cívicos e políticos dos cidadãos sarauís
residentes nos territórios ilegalmente ocupados;

O reconhecimento pelo Governo português da República Árabe Sarauí Democrática, agindo
em coerência com o direito dos povos colonizados à autodeterminação e independência, no
respeito do artigo 7.o da Constituição da República Portuguesa.