Outras Notícias

Venezuela

  • Dia da Dignidade Nacional - 4 de Fevereiro de 1992 Comemoração do 23º aniversário do Movimento Civico-Militar

  • No passado dia 4 de Fevereiro, na Casa da Paz, o Conselho Português para a Paz e Cooperação assinalou o Dia da Dignidade Nacional da República Bolivariana da Venezuela.
    Nesta ocasião em que se assinalava o 23º aniversário do levantamento cívico militar de 1992 e que contou com a presença do Ex.mo Senhor Embaixador da Venezuela Lucas Ríncon Romero foi projectado o documentario "4 de Fevereiro na História".

     

  • 19 DE ABRIL - 15H AUDITÓRIO DA J.F. AMORA - SEIXAL

    No âmbito do apelo para um dia internacional de solidariedade com a Revolução Bolivariana - promovido pelo Comité de Solidariedade Internacional (COSI) venezuelano, organização membro do Conselho Mundial da Paz - e no aniversário da revolução em Caracas em 1810, que marca o início da luta pela independência, o Conselho Português para a Paz e Cooperação e a Associação de Amizade Portugal-Cuba promovem uma sessão de solidariedade com a Revolução Bolivariana.

     

     

  • Realizou-se no dia 19 de Abril, no auditório da Junta de Freguesia da Amora, no Seixal, uma sessão de solidariedade com a Revolução Bolivariana, promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e pela Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC), no âmbito do apelo para o assinalar de um dia de acção mundial de solidariedade com a Venezuela.

    Na mesa da sessão estiveram o Presidente da Câmara Municipal do Seixal, Sr. Engº Joaquim Santos, O Embaixador da Venezuela, Sr. General Lúcas Ríncon, a Embaixadora de Cuba Sra. Johana Tablada, o presidente da AAPC, Sr. Augusto Fidalgo e o vice-presidente do CPPC, Sr. Coronel Baptista Alves, que presidiu à sessão.

    A sessão, que iniciou com a leitura de alguns poemas, por Jorge Feliciano, contou ainda com a participação do Presidente da Junta de Freguesia, Sr. Manuel Araújo e de dezenas de pessoas, entre as quais, cidadãos venezuelanos que se encontram em Portugal.

    A 19 de Abril comemora-sa o aniversário do início da luta pela indepedencia da Venezuela, em 1810, e também o aniversário da vitória cubana contra a tentativa de invasão de Playa Giron em 1961.

     

  • 19 de Abril 2016 - 17h30 - Almada

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação associando-se ao Dia Mundial de Solidariedade com a Venezuela, assinalado na data em que se comemoram 206 anos do início da luta pela independência daquele país, em 19 de Abril de 1810, promove uma sessão pública no Átrio do Fórum Municipal Romeu Correia em Almada.

    Participa!

  •  

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) associa-se ao Dia Mundial de Solidariedade com a Venezuela, que hoje se assinala, saudando o Comité de Solidariedade Internacional da Venezuela (COSI) e as outras forças populares venezuelanas que defendem os importantes avanços progressistas alcançados na Revolução bolivariana e, nomeadamente, a soberania e a independência da República Bolivariana da Venezuela face à ingerência e agressão externas.

    Neste dia de solidariedade com o povo venezuelano e a Venezuela, o CPPC reafirma a exigência do fim da acção desestabilizadora levada a cabo pelos Estados Unidos contra este país.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação denuncia a operação de ingerência que está a ser levada a cabo neste fim-de-semana contra a República Bolivariana da Venezuela, promovida de forma coordenada por diversos países, sob a orientação dos Estados Unidos, em conluio com sectores da oligarquia interna.

    Esta campanha – económica, política, diplomática e mediática – é dirigída contra as instituições democráticas venezuelanas, incluindo os seus legítimos Presidente e Governo, e procurando degradar as condições sociais naquele país, prejudicando seriamente amplos sectores sociedade venezuelana - que integra uma vasta comunidade portuguesa.

  • encontro cosi cppc 1 20191001 1989777787

    No dia 4 de Setembro, o CPPC recebeu, na Casa da Paz, Carolus Wimmer, presidente do COSI - Comité de Solidariedade Internacional e Defesa da Paz, da Venezuela. No encontro entre as duas delegações foram abordados os problemas que o povo da República Bolivariana da Venezuela está a enfrentar, tendo em conta o criminoso bloqueio económico e financeiro que EUA e seus aliados, incluindo a União Europeia, mantêm à Venezuela. Foi reafirmado pelo CPPC a continuação da solidariedade e empenhamento na defesa do direito soberano da Venezuela escolher o seu caminho de progresso e paz e o prosseguimento da exigência junto das autoridades portuguesas da defesa dos princípios consignados no artigo 7º da Constituição da República Portuguesa. Foram também abordadas linhas de trabalho futuro e de cooperação entre COSI e CPPC.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena veementemente e considera da maior gravidade as declarações do Presidente dos EUA, Donald Trump, proferidas ontem dia 11 de Agosto, onde afirma que a Administração norte-americana tem muitas opções para a Venezuela, incluindo a “opção militar”.

    Estas inaceitáveis declarações de Trump colocam de novo em evidência o que há muito tem vindo a ser denunciado: que a desestabilização da Venezuela tem como principal responsável e promotor os EUA, que apoiam forças anti-democráticas e a violência de grupos fascistas com o objectivo de promover um golpe de Estado contra um país soberano, contra a sua Constituição, contra o seu legítimo governo, contra o seu povo.
    Um golpe de Estado, atentatório da soberania e independência da República Bolivariana da Venezuela e direccionado contra todos aqueles que estão empenhados em construir um futuro de paz e de progresso social na Venezuela e um caminho de cooperação entre os povos da América Latina e Caraíbas livre da tutela e dominio dos EUA.

  • fim a desestabilizacao e ao bloqueio solidariedade com a revolucao bolivariana e o povo venezuelano 1 20190129 1157440018

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) defende o legítimo direito dos povos a decidirem soberanamente o seu rumo de desenvolvimento – um direito consagrado na Carta das Nações Unidas e no Direito Internacional –, uma sua posição de sempre que é tão mais importante reafirmar no momento em que se intensifica uma aberta e descarada ameaça, a pressão, a chantagem, o bloqueio e a interferência sobre a República Bolivariana da Venezuela, que visa atingir e agravar as condições de vida do seu povo.

    O não reconhecimento do Presidente democraticamente eleito da Venezuela, Nicolás Maduro, é mais um episódio do longo processo de ingerência e desestabilização promovido e levado a cabo pelos Estados Unidos da América e pela oligarquia venezuelana e que dura há 20 anos, tantos quantos tem a Revolução Bolivariana – o golpe de Estado contra o Presidente Hugo Chávez em 2002, a sabotagem da empresa estatal de petróleo PDVSA, o terrorismo, o bloqueio e as sanções económicas e diplomáticas foram e são métodos utilizados para dificultar a acção e, se possível, derrubar o poder bolivariano, as instituições legítimas do país, sufragadas democraticamente ao longo de 20 anos.

  • fim a operacao golpista nao a agressao contra a venezuela 1 20190220 1517008708

  • Solidariedade com a Revolução Bolivariana
    Hugo Chávez - Memória e Legado de um Líder
    Exposição "Hugo Chávez Percursor de um Mundo Multipolar"
    5 de Março de 2014 - 18h30
    Casa do Alentejo - Lisboa

    https://www.facebook.com/events/1399256280334774/

     

  • No próximo dia 22 de Abril, pelas 18h30, na Casa do Alentejo em Lisboa a Embaixada da República Bolivariana da Venezuela assinala o 204º aniversário do início do processo de independência da Venezuela, com uma exposição de fotografia e litografia. O Conselho Português para a Paz e Cooperação, que colabora na realização da iniciativa, apela à participação de todos os amigos e amigas neste momento de solidariedade com a revolução bolivariana.

  •  em portugal solidariedade com a venezuela bolivariana 3 20190225 1436286485

    Leia a intervenção de Ilda Figueiredo, em representação do Conselho Português para a Paz e Cooperação, no ato político-cultural "Pela Paz! Solidariedade com a Revolução Bolivariana!" ocorrida no passado dia 22 de Fevereiro na Voz do Operário em Lisboa.

    "Em nome do Conselho Português para a Paz e Cooperação e de todas as organizações promotoras, saúdo as amigas e amigos que connosco participam neste imprescindível ato político cultural em defesa da Paz e de afirmação da solidariedade com a Revolução Bolivariana, destacando em particular os artistas que vamos ver e ouvir, assim como a direção e os trabalhadores da Voz do Operário que nos cederam esta sala e apoiaram na organização desta sessão.
    Um caloroso agradecimento a todos os que tornaram possível esta iniciativa.

  • nao a intervencao contra a venezuela nao ao tiar 1 20190921 1711139318

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) junta-se à ampla expressão de repúdio pela activação do chamado “Tratado Inter-americano de Assistência Recíproca” (“TIAR”) que se inscreve na espiral de desestabilização, bloqueio económico e financeiro e agressão contra a República Bolivariana da Venezuela e o povo venezuelano

    A decisão da ativação do denominado “TIAR” foi adotada, no passado dia 11 de Setembro, pela Administração dos EUA com o apoio de governos de países da América Latina que se subordinam aos seus interesses.

  • revolucao bolivariana nao esta so 1 20190430 1254971819

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) repudia mais uma tentativa de golpe de Estado na República Bolivariana da Venezuela perpetrada pela extrema-direita golpista, em coordenação e às ordens dos Estados Unidos da América, contra a soberania, a democracia e a paz na Venezuela.

    Este é mais um negro episódio de um longo processo de desestabilização e violento bloqueio que, através da imposição da degradação das condições de vida dos venezuelanos, visa derrubar as legítimas instituições deste país e a reversão das conquistas alcançadas nas últimas duas décadas pelas forças bolivarianas, que puseram fim a décadas de domínio e saque das riquezas do povo venezuelano – como o petróleo – por parte dos EUA.

    O CPPC, solidário com o processo soberano, democrático e emancipador iniciado com a vitória de Hugo Chávez nas eleições presidenciais de 1998 – e sufragado pelo povo venezuelano mais de duas dezenas de vezes ao longo dos últimos vinte anos –, expressa ao povo venezuelano, ao Comité de Solidariedade Internacional (COSI), e demais organizações e movimentos patrióticos, democráticos e progressistas venezuelanos a sua solidariedade e a confiança de que, uma vez mais, vencerão a ingerência e o golpismo, e continuarão o seu caminho na defesa de um futuro melhor, mais justo e de paz.

    Direção Nacional do CPPC

    #TiremAsMaosDaVenezuela #VenezuelaNoEstaSola #HandsOffVenezuela #ARevoluçãoBolivarianaNaoEstaSo #LaRevolucionBolivarianaNoEstaSola #TheBolivarianRevolutionIsNotAlone

  • nao ao bloqueio respeito pela soberania da venezuela 1 20190829 1253902595

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) repudia o agravamento do ilegal bloqueio dos EUA contra o povo da Venezuela e a sua Revolução Bolivariana, anunciado pela Administração de EUA/Donald Trump.

    O CPPC defende o legítimo direito dos povos a decidirem soberanamente o seu rumo de desenvolvimento – um direito consagrado na Carta das Nações Unidas e no Direito Internacional –, uma sua posição de sempre que é tão mais importante reafirmar no momento em que se intensifica uma aberta e descarada ameaça, com pressão, chantagem, bloqueio e interferência sobre a República Bolivariana da Venezuela, que visa atingir e agravar as condições de vida do seu povo.

  • La Carlota (base militar)

    Grupos da "oposição" Venezuelana já por várias vezes atacaram com extrema violência a Base Aérea Generalíssimo Francisco de Miranda “La Carlota” em Caracas.

    -/-

    Não ao Terrorismo Golpista
    Solidariedade com a Revolução Bolivariana

    A República Bolivariana da Venezuela está a ser vítima de uma violenta acção de ingerência externa e desestabilização golpista que – procurando tirar partido de problemas económicos e provocando activamente o seu agravamento –, pretende interromper e destruir o processo de avanços democráticos, económicos, sociais, políticos e culturais e de afirmação de vontade soberana e independência nacional iniciado em 1998 e consagrado na Constituição venezuelana de 1999.

  • Armazém de alimentos

    27 de Junho de 2017 - Anzoátegui

    Numa clara acção de sabotagem para criar desabastecimento e desestabilização grupos da "oposição" incendeiam armazéns de alimentos e cadeias de distribuição, na imagem armazém no Estado de Anzoátegui, onde foram destruídas 50 toneladas de alimentos. O armazém servia 278 escolas, 31 centros de diagnóstico médico, 3 prisões, 1 lar de terceira idade entre outras instituições.