Outras Notícias

Carta das Nações Unidas

  • (foto - 1ª sessão da Assembleia Geral da ONU, Londres)

     

    No momento em que se assinala o 70.º aniversário da assinatura, na cidade norte-americana de São Francisco, da Carta das Nações Unidas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação sublinha a actualidade dos seus valores e objectivos: a defesa da paz, da igualdade entre Estados (independentemente da sua dimensão), da autodeterminação dos povos e o estímulo ao progresso social.

    O conteúdo da Carta está directamente ligado com a situação concreta que se vivia nesse mês de Junho de 1945: na Europa, o nazi-fascismo já tinha sido derrotado, com o papel determinante a ser desempenhado pela União Soviética e pelas organizações de resistência anti-fascista; no Extremo Oriente, os EUA combatiam ainda o militarismo japonês; nos países libertados da ocupação nazi, realizavam-se já grandes transformações políticas, económicas e sociais e nas colónias a luta de libertação nacional avançava em África e na Ásia. Os ideais da paz, da liberdade, da democracia, da soberania e do progresso eram imparáveis. A Carta transformou-os em letra de Direito Internacional.

  • nos 75 anos da carta das nacoes unidas urge defender os principios fundadores 1 20200630 1724813544

    «Nós, os povos das Nações Unidos, decididos:
    A preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra que por duas vezes, no espaço de uma vida humana, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade;
    A reafirmar a nossa fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, assim como das nações, grandes e pequenas;
    A estabelecer as condições necessárias à manutenção da justiça e do respeito das obrigações decorrentes de tratados e de outras fontes do direito internacional;
    A promover o progresso social e melhores condições de vida dentro de um conceito mais amplo de liberdade;

  • No passado fim de semana, a presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo, em representação, participou numa Mesa redonda das Jornadas de Medicina Interna promovidas pela Sociedade de Médicos de Medicina Interna, que decorreram em Viseu.

    Ilda Figueiredo abordou as causas e os responsáveis da situação dos refugiados e defendeu o cumprimento do Direito Internacional, da Carta das Nações Unidas e da Constituição da República Portuguesa, para pôr fim às guerras, defender a negociação política para a resolução dos conflitos, a solidariedade com os refugiados , a paz e o progresso da humanidade.